Aguarde...

cotidiano

SAP proíbe visitas em penitenciária de Sumaré

Penitenciária registrou rebeliões na última segunda-feira (16); na Fundação Casa, menores em grupo de risco serão liberados

| ACidadeON Campinas

Penitenciária registrou rebelião na última segunda (16) (Foto: Denny Cesare/Codigo 19/Codigo 19)
A SAP (Secretaria de Administração Penitenciária) informou nesta quinta-feira (19) a suspensão de visitantes ao CR (Centro de Ressocialização) de Sumaré, penitenciária que registrou rebelião de presos na última segunda-feira (16)após o cancelamento da saída temporária dos internos em virtude do risco do novo coronavírus.  

Além de Sumaré, a secretaria suspendeu também as visitas aos presídios de Mongaguá, Tremembé e Porto Feliz e Mirandópolis, onde aconteceram conflitos nesta semana. A restrição começa a valer a partir deste sábado (21).

LEIA MAIS 
MP questiona questiona SAP sobre medidas de prevenção em prisões
 

A medida faz parte das novas regras especiais para visitas aos presos do Estado de São Paulo, como medida para combater o coronavírus. Entre as ações adotadas no restante das penitenciárias, está a limitação de apenas um visitante por fim de semana e a proibição de visitantes do grupo de risco do coronavírus, entre eles idosos e menores de idades.  

A SAP informou que continua realizando triagem na entrada aos presídios, proibindo a entrada de visitantes que apresentem sintomas de enfermidade.   

Em nota, a SAP diz que a medida "busca a proteção de todos" e faz ações "visando o enfrentamento do problema". O órgão ainda informou que tem divulgado todas as medidas de prevenção e higiene com nas unidades prisionais.

MENORES INFRATORES

O TJ (Tribunal de Justiça) determinou nesta quinta-feira (19) que os menores infratores da Fundação Casa que estejam no grupo de risco do coronavírus serão liberados do cumprimento das medidas socioeducativas. Serão colocados em liberdade também os adolescentes que cumprem a medida de internação e não tenham praticado crime com violência ou grave ameaça.  

A suspensão será pelo prazo de 30 dias, podendo ser prorrogada, e deve atingir os infratores com doenças crônicas, ou gestantes, que façam parte do grupo de risco da doença. Os adolescentes liberados serão acompanhados à distância por técnicos da Fundação.  

A Justiça determinou ainda a emissão e o cumprimento de mandados de busca e apreensão expedidos anteriormente. Já os novos infratores deverão ser colocados em quarentena, separados dos demais pelo período de dez dias.

Mais do ACidade ON