Aguarde...

cotidiano

Câmara rejeita aumento no salário de prefeito e secretários de Campinas

Apesar de lei permitir aumento, vereadores votaram contra o projeto de readequação

| ACidadeON Campinas

Vereadores rejeitaram o projeto; sessões acontecem de forma remota (Foto: Câmara Municipal de Campinas)
Os vereadores de Campinas rejeitaram na manhã de hoje (19) os aumentos de salários para o prefeito, vice-prefeito e secretários municipais da próxima gestão.  

O projeto fixaria em R$ 24.965 o salário para o prefeito e secretários municipais, e em R$ 18.723,75 o vencimento do vice-prefeito. 

O valor tinha sido estabelecido em lei aprovada pela Câmara no ano passado. Na época, a expectativa era que o aumento já fosse repassado neste ano. No entanto, uma liminar do Tribunal de Justiça, suspendeu a lei aprovada e o aumento, que não foram concedidos até então.  

Com a decisão dos vereadores de hoje, o salário do próximo prefeito e secretários continua sendo de R$ 23.894,65, e do vice em R$ 17.921,00.  

LEIA TAMBÉM 
Câmara aprova em 1ª discussão orçamento de R$ 6,4 bilhões para 2021

O projeto foi rejeitado com 18 votos contrário, dois votos favoráveis e uma abstenção (veja os votos abaixo), e arquivado em 2ª discussão. Entre as justificativas, os parlamentares citaram o congelamento dos próprios salários aprovado na semana passada, e que o aumento do salário do Executivo não seria adequado em um momento de pandemia.  

"Nós decidimos pelo congelamento na semana passada, e não vejo justificativa para essa reposição. Já estamos vivendo uma fase difícil no nosso país, a lei orçamentária já tem propostas de cortes em diversas áreas, acho que é evidente que do ponto de vista simbólico e prático que propor aumento não é adequado" disse o vereador Gustavo Petta (PCdoB).  

A vereadora Mariana Conti voltou a criticar a lei aprovada, e ressaltou que ela não deveria ter sido posta em prática neste momento.
"Se em 2019 não tinha cabimento, em 2020 com a crise, gravidade do que vivemos não têm ainda mais cabimento manter esse reajuste aprovado", declarou.  

COMO VOTARAM:  

CONTRA  

Juscelino da Barbarense (PL)
Jorge da Farmácia (PSDB)
Professor Alberto (PL)
Jorge Schneider (PL)
Carlão do PT (PT)
Pr. Elias Azevedo (PSB)
Antonio Flôres (Sem Partido)
Luiz Cirilo (PSDB)
Mariana Conti (PSOL)
Carmo Luiz (PSC)
Pedro Tourinho (PT)
André von Zuben (Cidadania)
Edison Ribeiro (PSL)
Gustavo Petta ( PCdoB)
Campos Filho (Podemos)
Marcelo Silva- PSD
Vinicius Gratti- PP

A FAVOR  

Zé Carlos (PSB)
Ailton da Farmácia- PSB

SE ABSTEVE  

Rodrigo da Farmadic (DEM)  

NÃO PARTICIPARAM  

Aurélio Cláudio- PDT
Cidão Santos- PSL
Fernando Mendes- Republicanos
Filipe Marchesi- PSB
Gilberto Vermelho- PSB
Luis Yabiku- PSB
Luiz Rossini- PV
Nelson Hossri- PSD  
Paulo Galterio- PL
Permínio Monteiro- PSB
Rubens Gás DEM
Tenente Santini- PP


Mais notícias



Mais notícias do ACidade ON