Publicidade

cotidiano

Campinas oficializa venda de água para Valinhos

Fornecimento deve começar em dois dias e deve por fim ao racionamento de Valinhos

| ACidadeON Campinas -

Barragem das Figueiras, na cidade de Valinhos, durante início do racionamento de água (Foto: Denny Cesare/ Código 19)

A Prefeitura de Campinas assinou na manhã desta terça-feira (30) o contrato do acordo para venda de água ao município de Valinhos, cidade vizinha que enfrenta racionamento de água desde agosto.

Segundo a Administração, a parceria foi firmada com a intenção de ajudar na segurança hídrica do município vizinho. O fornecimento de água será feito por meio da interligação de rede entre adutoras da cidade.

A previsão é que a transferência de água comece em até dois dias. Com ele, a prefeitura de Valinhos informou que poderá encerrar o racionamento na cidade que vem ocorrendo há três meses (leia mais abaixo).

O ACORDO

O acordo entre as prefeituras havia sido anunciado em outubro, época em que a Sanasa (Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento) afirmou estar em tratativas com Valinhos. No entanto, a oficialização do contrato dependia ainda de análise técnica.

Segundo a Prefeitura de Campinas, a destinação de água para Valinhos não deve afetar o fornecimento de água na cidade.

O acordo prevê a destinação de 25 litros de água por segundo, com contrato total de até 800 milhões de litros. O contrato tem duração de 36 meses ou até que a cidade consuma o total de água disponibilizada. 

A interligação será realizada na altura do Condomínio Vista Valley, em Valinhos, e o bairro Vila Formosa, em Campinas, sob o Anel Viário José Roberto Magalhães Teixeira.

SEM LUCRO

Durante o anúncio da medida, a Prefeitura de Campinas afirmou que água será vendida pelo preço de compra com a Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo).

"O que estamos fazendo é repassar pelo custo que a gente tem, sem interesse de ter nenhum lucro ou ganhar em cima", afirmou o prefeito Dário Saadi (Republicanos). "Entendemos que Campinas faz o que deveria fazer. Dentro da possibilidade", acrescentou.

Segundo o presidente da Sanasa, Manuelito Magalhães, o valor cobrado será de R$ 4,81 por metro cúbico, com previsão de custo de R$ 320 mil por mês.

FIM DO RACIONAMENTO

Segundo a prefeita de Valinhos, Capitã Lucimara (PSD), com a parceria será possível por fim no rodízio de água feito entre os bairros da cidade.

"Em dois dias será feito o que falta para iniciar a captação. Segundo os técnicos, o volume captado será suficiente para que Valinhos saia da necessidade de racionamento. Fica minha gratidão", disse a prefeita de Valinhos, capitã Lucimara. 

O racionamento, que começou no final de agosto interrompe o abastecimento de água em regiões da cidade das 10h às 4h da madrugada. Para alguns bairros, o fornecimento de água é interrompido três vezes na semana, em quanto em outros é feito duas vezes por semana.

Segundo o presidente do Daev (Departamento de Águas e Esgoto de Valinhos), o racionamento foi necessário pela gravidade da crise hídrica enfrentada na cidade.

"Tivemos uma diminuição de captação de água dos manaciais internos, o que levou a necessidade de implantar um racionamento de que perdura desde 27 de agosto" afirmou, agradecendo a parceria de Campinas.

"Essa parceria com a Sanasa vem de certa forma parra amenizar a necessidade que temos de suprir o abastecimento da população. Obviamente não consegue atender a toda demanda mas ameniza e possibilita coibir que o racionamento perdure por um longo tempo maior ou prevenir que aconteça numa", acrescentou Ivair Pereira.

Mais notícias


Publicidade