Publicidade

cotidiano

PF cumpre mandados na região de Campinas contra mega-assalto em Araçatuba

Dos mandados de busca e apreensão, três são em Campinas e um em Indaiatuba; operação visa identificar responsáveis pelo crime que gerou terror na cidade

| ACidadeON Campinas -

Dinheiro e arma foram apreendidos durante operação contra mega assalto (Foto: Divulgação PF)

A Polícia Federal deflagrou nesta terça-feira (21) uma nova fase da operação que investiga os responsáveis pelo mega-assalto a bancos que levou terror a cidade de Araçatuba em agosto do ano passado. Os alvos são investigados na região de Campinas. Um deles foi preso na metrópole. 

Ao todo, hoje foram cumpridos oito mandados de busca e apreensão, cinco de prisão temporária e quatro de identificação criminal. Dos mandados de busca e apreensão, três foram em Campinas, um em Indaiatuba e outros quatro em São Paulo e Agudos. 

Com a 10ª fase deflagrada hoje, a PF já prendeu 43 investigados e cumpriu 95 mandados de busca e apreensão. 

LEIA TAMBÉM   
Vídeo: homem é morto a tiros em frente à escola em Paulínia
Dupla é presa após roubo com sequestro-relâmpago em Campinas 

APOIO DO BAEP

A operação da PF na região de Campinas contou com o apoio do Baep (Batalhão de Ações Especiais da Polícia Militar). Em Campinas, foram vistoriadas casas e um barracão nas mediações do Aeroporto de Viracopos. 

Dos três mandados de prisão na região, apenas um dos suspeitos foi localizado em Campinas. Já outro homem foi preso em um dos endereços em flagrante por porte ilegal de arma. Com ele ainda foram encontrados R$ 67 mil e um carro que tinha sido furtado em Hortolândia.  

DOS PRESOS 

De acordo com a corporação, quatro dos investigados participaram do crime, fornecendo estrutura logística aos demais integrantes da organização criminosa, inclusive emprestando uma propriedade rural para servir de ponto de apoio para a consecução do roubo.

"Não se descarta, também, que dois deles tenham participado diretamente da ação criminosa em Araçatuba", informou a PF.

De acordo com a Polícia Federal, o outro investigado está "intimamente entrelaçado" com os principais executores do crime, que já se encontram presos, e também é possível que tenha estado presente na área central da cidade de Araçatuba, atuando diretamente no roubo praticado. 

O MEGA-ASSALTO 

O mega-assalto a agências bancárias deixou três mortos e cinco feridos no dia 30 de agosto de 2021. A ação criminosa em Araçatuba, cidade na região noroeste de São Paulo, durou cerca de duas horas, entre ataque às agências, tiroteio e fuga. A quadrilha rendeu moradores e os usou como escudo humano.

Segundo a PF, o grupo criminoso utilizou armas de uso restrito (fuzil calibre .50, fuzil calibre 5,56, fuzil calibre 7.62, espingardas, pistolas e revólveres), além de drones e sofisticado material bélico. 

NA REGIÃO
 

Em abril deste ano, dois homens foram presos em Hortolândia durante uma fase da operação e as buscas resultaram na apreensão de R$ 15 mil. 

Já final de março, a Polícia Federal prendeu em Sumaré um homem acusado de integrar o núcleo central da organização criminosa. Segundo a corporação, o criminoso atuou diretamente no roubo, "sendo o responsável por operar o maçarico utilizado não só para romper os obstáculos até a sala cofre, mas também os próprios cofres". 

Em outra operação, realizada em 16 de dezembro do ano passado, também houve alvos na região, e um homem foi preso em Campinas. 

Além dele, foi preso em Campinas um homem em novembro. Na cidade um suspeito também foi preso no dia seguinte ao ataque, confessando participação no crime. 

Outro suspeito do crime foi encontrado morto em Sumaré. Em setembro, outubro, e novembro Campinas também foi alvo de operações da PF, com buscas sobre suspeitos do crime.
 
LEIA TAMBÉM 
Homem é detido com 450 kg de materiais furtados em Campinas




Publicidade