Aguarde...

cotidiano

Vacinas acabam em Campinas no primeiro dia da campanha

Segundo a Prefeitura, um novo lote deve ser enviado pelo Governo do Estado até a tarde desta terça-feira, para prosseguir a vacinação

| ACidadeON Campinas

 

Fila de idosos em igreja no Cambuí na manhã de ontem. (Foto: Luciano Claudino/Código 19/Arquivo)

O primeiro dia de vacinação contra a gripe aplicou 53 mil doses da vacina em Campinas e isso fez as doses acabarem. O grande fluxo de idosos e profissionais da área de saúde, públicos-alvo da primeira fase da campanha, fez com que as vacinas que estavam estocadas para a semana fossem utilizadas. Segundo a Prefeitura, um novo lote deve ser enviado pelo Governo do Estado até a tarde desta terça-feira, para prosseguir a vacinação.

A expectativa da Secretaria de Saúde de Campinas é que assim que as novas doses cheguem nesta terça-feira à tarde e sejam distribuídas aos Centros de Saúde, a população seja avisada e possa se vacinar.

A procura pela vacina nesta segunda-feira superou as projeções da Administração. Nas campanhas em anos anteriores, a média registrada foi de 5 mil doses aplicados ao dia.  Só ontem, foram 53 mil. Alguns pontos de vacinação tiveram filas grandes (leia mais aqui).
 
LEIA MAIS AQUI 
Confira aqui as últimas notícias sobre o coronavírus em Campinas e na região
Moradores de rua na pandemia: "A gente faz como pra comer?"
Quarentena: usuários relatam ônibus lotados em Campinas
1º dia de quarentena tem ruas vazias e alguns "desobedientes"
 

A vacina estará novamente disponível em todos os Centros de Saúde de Campinas assim que a entrega for realizada pela Secretaria de Estado da Saúde, o que deve ocorrer nesta terça-feira. A população será avisada sobre a retomada da vacinação. A estratégia inclui um Dia D de mobilização nacional, que será em 9 de maio, um sábado.

Como ocorre todos os anos, a campanha contra a gripe atende a grupos prioritários. A primeira etapa de vacinação, que começou neste 23 de março e prossegue até 15 de abril, abrange as pessoas com mais de 60 anos de idade e profissionais de saúde, incluindo os cuidadores de idosos e funcionários de instituições de longa permanência de idosos.

O público-alvo de idosos em Campinas é estimado em 146 mil pessoas, segundo a Secretaria de Saúde da cidade. Com o sucesso do primeiro dia de vacinação, grande parte desse universo já recebeu a dose contra gripes causadas pelos principais tipos de Influenza. A vacinação está sendo feita em espaços arejados e as filas organizadas de modo a evitar filas e aglomerações.

Em Campinas, seguindo orientação federal, a vacinação também foi antecipada neste ano para ajudar a diferenciar os casos de gripe pelo Influenza do novo coronavírus, para o qual ainda não existe vacina. Se a população estiver imunizada contra os vírus da gripe, será mais fácil suspeitar e buscar o diagnóstico do novo coronavírus. A Campanha contra a gripe vai até o dia 22 de maio.

Clique aqui para conferir o endereço dos postos de vacinação da campanha da gripe. Os locais de vacinação também estarão disponíveis no site da Secretaria de Saúde. 

ETAPAS

A primeira etapa de vacinação tem como foco as pessoas a partir dos 60 anos de idade e os profissionais de saúde. Nesta fase, estão incluídos os cuidadores de idosos e também funcionários de instituições de longa permanência para o público da terceira idade. Essa fase prossegue até o dia 15 de abril, por isso há tempo suficiente para imunizar essa faixa da população.

Com início em 16 de abril, a segunda etapa atenderá os grupos prioritários de professores, portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais e profissionais da força de segurança e salvamento.

A partir do dia 9 de maio serão vacinados todos os grupos prioritários alvo da campanha: crianças de 6 meses a 6 anos de idade, gestantes, puérperas, idosos, professores, população privada de liberdade e funcionários do sistema prisional, adultos de 55 a 59 anos de idade.

A meta é imunizar pelo menos 90% das pessoas de cada um dos grupos prioritários. Esse escalonamento segue a determinação do Governo do Estado de São Paulo e do Ministério da Saúde.

Mais do ACidade ON