Aguarde...

Política

Segunda convenção do PP é marcada por confusão e PM é acionada

Membros do partido alegam não participar da convenção mesmo após uma decisão judicial

| ACidadeON Campinas

Polícia foi acionada por membros que não conseguiram participar da convenção (Foto: Denny Cesare/Código19)

A segunda convenção do PP (Partido Progressista) terminou em confusão após o impedimento de entrada de pré-candidatos na manhã de hoje (16) em Campinas. A Polícia Militar foi acionada para dar apoio na ocorrência.

O partido decidiu por realizar hoje- último dia do prazo para definição de candidatos-, uma nova convenção, após a Justiça Eleitoral anular a reunião realizada na última semana, onde os membros da Executiva decidiram por não lançar candidato à prefeitura, e apoiar o atual deputado estadual Rafa Zimbaldi (PL) nas eleições deste ano.

Segundo integrantes do partido, pré-candidatos e membros da Executiva tinham sido impedidos de participar no primeiro encontro, o que gerou a procura da Justiça Eleitoral. Segundo o partido, a decisão determinava apenas a inclusão de dois membros. No entanto, um grupo de pré-candidatos se manifestou alegando exclusão na participação.

Segundo um dos pré-candidatos a vereador pelo partido, Lucas Trevizan, o grupo que não teve acesso a convenção da semana passada também não conseguiu acesso à realizada hoje, que só foi acessada por membros da executiva, e disponibilizada o acesso de forma on-line. De acordo com Trevizan, o impedimento descumpre a sentença da Justiça Eleitoral.  

Na sentença, a Justiça Eleitoral determina que "seja realizada nova convenção partidária dentro do prazo legal, com a participação dos membros que foram impedidos de adentrar na convenção anterior e que foram reconduzidos à comissão provisória pela liminar já deferida". 

Segundo Lucas, os pré-candidatos fariam parte desse grupo. "Não tivemos acesso a convenção anterior, fomos atropelados e depois só fomos avisados sobre o apoio ao Rafa. Nós entramos com embargos para que fossemos inseridos na participação, mas hoje o mesmo grupo que não conseguiu acesso está sendo barrado outra vez", declarou.

De acordo com os membros que foram rejeitados da participação, na convenção suspensa participaram pessoas que não faziam parte do partido, e cerca de 50 candidatos, que fazem parte do grupo mais conservador, não foram ouvidos e não tiveram direito a participação.

A chapa, que segue a linha do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) é contra a escolha por apoio a Zimbaldi, e reivindica que o partido determinasse a candidatura do Major Jaime, ou o apoio ao ex-vereador de Campinas, Artur Orsi,com indicação do major como vice-prefeito.

Segundo a chapa, um boletim de ocorrência vai ser registrado sobre o descumprimento da decisão judicial. A Polícia Militar conversou com os participantes, mas não realizou nenhuma ação efetiva. 

O QUE DIZ O PARTIDO  

Procurado, o presidente do partido, Marcio Chaib, afirma que não houve motivos para o movimento dos pré-candidatos. "Nós fizemos de acordo com os termos da determinação judicial, o estatuto do partido assim como dos outros determina que a convenção seja feita entre os membros da executiva, nem cabia a quantidade de pessoas que ele queriam na sala", afirmou.  

De acordo com Chaib, a convenção anterior havia sido cancelada pela não participação de duas pessoas que faziam parte do diretório antigo, que foram reinseridos e assim a convenção foi feita conforme a determinação.   

Segundo o edital de convocação do PP, por causa da pandemia o ingresso ao local era permitido apenas aos convencionais com direito a voto, para cumprir os protocolos de segurança.

APOIO  

Após a nova convenção, foi confirmado o apoio do partido à Rafa Zimbaldi. Segundo Chaib, a decisão de 10 votos a zero ratificou o apoio ao deputado para prefeito. O restante dos membros abstiveram o voto. 


Mais do ACidade ON