Publicidade

cotidiano

Jonas se despede e faz balanço dos 8 anos de gestão

Apontando os feitos em diferentes áreas, Jonas disse que enxerga ter feito bastante durante os oitos anos que atuou no Palácio dos Jequitibás

| ACidadeON Campinas -

Jonas falou sobre sua atuação durante os últimos oito anos. (Foto: Divulgação/Prefeitura de Campinas) 

O prefeito de Campinas, Jonas Donizette (PSB) fez, na última segunda-feira (28) um balanço sobre as ações realizadas em seus dois mandatos à frente da Prefeitura. Apontando os feitos em diferentes áreas, Jonas disse que fez bastante durante os oitos anos que atuou no Palácio dos Jequitibás e entrega a cidade melhor para o prefeito eleito Dário Saadi (Republicanos) - a quem apoiou na campanha. "Nunca tive pretensão de consertar o mundo. Sei que tem muita coisa para fazer, mas a gente fez bastante", afirmou.

Separando os feitos por setores, o atual prefeito afirmou que vê como de forma positiva as ações realizadas durante o mandato na área da Saúde. "Acho que a grande alegria é a reestruturação da rede básica de saúde. Fizemos 60 centros de saúde. Isso dá quase um por mês, sem contar a Policlínica, Hospital do Câncer, centro de queimados", citou, acrescentando na lista em seguida, as entregas da UPA Carlos Lourenço e Metropolitana, e a conquista do AME (Ambulatório Médico de Especialidades), do governo estadual.

O prefeito falou também dos quatro mil contratados em concursos públicos para a área de saúde, a criação do pronto-socorro odontológico e classificou como a sua maior conquista a diminuição da mortalidade infantil. "A grande alegria da saúde foi a parte da mortalidade infantil, que o Brasil inteiro subiu e Campinas diminuiu. É o menor índice que Campinas já teve", afirmou - Leia sobre o dado aqui.

TRANSPORTE

Sobre a Secretaria de Transportes, que recebeu muitas críticas principalmente no período de pandemia quando o número de coletivos circulando foi reduzido, o prefeito voltou a afirmar que, para melhorar o trânsito na cidade, entregou a obra do BRT completa já para o uso. Ele afirmou ainda que o empreendimento será a grande marca de seu governo.

"A grande obra foi o BRT. O primeiro dinheiro do projeto saiu de financiamento. Não tínhamos dinheiro para fazer o projeto, foram R$ 5 milhões. Feito o projeto, fizemos a obra. É nas Amoreiras e John Boyd Dunlop, duas das principais avenidas da cidade. Confesso para vocês, que houve momentos em que eu falei: 'Poxa, a população não está entendendo'. Se eu não faço do jeito que fiz, a obra não seria concluída", desabafou.

Segundo o prefeito, apesar de não estar 100% completa, todo o percurso consegue ser utilizado.

"Existe ainda alguns pontos para serem feitos, mas é 4%. 96% está concluído e 100% esta operacional, dá para o ônibus fazer a curva e continuar andando". Em relação aos ônibus especiais, Jonas afirmou que deixou o processo em andamento para o novo prefeito.

"Dário vai ter a missão de fazer a licitação. Fizemos todo o processo, mas quando é grande a licitação, essa demora é praxe no Brasil", disse, citando que neste ano e nem no próximo haverá reajuste de tarifa do ônibus mesmo com a entrega dos corredores (leia mais aqui).

Refutando as críticas que são constantes sobre uma possível obra de um metrô na cidade, Jonas disse que Campinas optou pelo BRT por causa do custo. "'Porque que não fez metrô?' Dois quilômetros ficam o que ficou esses 36 quilômetros de corredores. Não adianta fazer obra que não seja funcional", disse.

FINANÇAS  

Na área financeira, Jonas voltou a afirmar que deixou a cidade menos endividada do que quando assumiu a Prefeitura. "Estou deixando a cidade com metade das dívidas que peguei", afirmou. Atualmente, a dívida que Dário herda é de R$ 2,09 bilhões, sendo que R$ 128,1 milhões são de curto prazo, enquanto R$ 1,96 bilhão são a longo prazo.

EDUCAÇÃO  

Na área da educação, Jonas citou a entrega de 13 novas creches, e a ampliação de vagas, que espera que tenha andamento no próximo ano, com parceria com escolas particulares.

"Aumentamos em 8,5 mil vagas, quando assumi o déficit era de 7 mil, e agora zeramos de 3 anos pra cima, do agrupamento dois. Criamos convênios, pagando pela vaga. Deixei aprovado pro novo prefeito usar a expansão para compras novas vagas na tentativa de zerar a fila dos bebês. Acredito que agora, depois da pandemia, as escolinhas precisem da Prefeitura e teremos sorte na compra de vagas", disse.

Ainda segundo o prefeito, todas as classes do ensino fundamental também receberam equipamentos digitais, e toda a rede de ensino foi contemplada com internet banda larga.

SERVIÇOS

Em relação às obras de melhoria da cidade, Jonas afirmou que termina o mandato feliz com o trabalho feito. "Fizemos o meu bairro bem melhor, e fico muito feliz que são 250 mil pessoas que moravam em rua de terra e hoje tem asfalto na rua da casa. O Parque Oziel está asfaltado,  o São Judas Tadeu, o Jardim Ipaussurama [...] Também fizemos esgoto. Está abaixo da terra e ninguém vê, mas é muito importante", defendeu.

Jonas ainda afirmou que os bairros da cidade que ainda estão sem asfalto estão com os trabalhos em andamento e espera que sejam completados pela administração de Dário. "O bairro que a gente não pode fazer o asfalto, fizemos a infraestrutura do esgoto e os projetos estão prontinhos. Tenho muita convicção que Dário vai cumprir e fazer a segunda parte", disse.

SANASA  

Em relação à Sanasa, Jonas declarou que o investimento na empresa pública foi de R$ 1 bi, com R$ 835 milhões gastos em obras e 40 mil empregos ofertados. Entre as entregas de rede de esgoto e estações citadas pelo prefeito, Jonas citou como maior legado a Epar (Estação Produtora de Água de Reuso) Boa vista.  

"A Epar Boa Vista que considero o maior legado, deixando Campinas a primeira cidade com mais de 1 milhão de habitantes com capacidade de tratamento de 100% do esgoto", afirmou.

Rebatendo críticas sobre o alto valor da tarifa de água, Jonas citou o número de benefícios concedidos aos moradores de baixa renda. "Na conta de água temos 250 mil pessoas que têm tarifa social. É gente que, se não tivesse, não teria condição de pagar conta de água. Aposentado paga metade se precisar. Todas nossas instituições pagam metade da conta de água, todos hospitais que atendem SUS, e os particulares fizemos acordo para devolverem em exames essa metade da conta da água", disse.

Em relação ao abastecimento de água, Jonas lembrou que deixa o projeto de construção da represa para Dário. A represa deve ser construída no Distrito de Sousas, na região conhecida como Três Pontes. "Deixamos o projeto executivo em andamento da represa de água bruta, que pode ser a grande obra da próxima administração", citou.

Mais notícias


Publicidade