Publicidade

politica

Em nota, Lula e Alckmin dizem que mortes de Dom e Bruno causam 'dor e indignação'

Mais cedo, o presidente Jair Bolsonaro (PL) também se manifestou no Twitter; caso segue investigado pela Polícia Federal.

| Estadao Conteudo -

Lula e Alckmin selaram chapa em jantar beneficente. (Foto: Reprodução/Redes Sociais)
 

O ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT) publicou uma nota conjunta com ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSB) sobre os assassinatos do indigenista Bruno Pereira e do jornalista Dom Phillips no Vale do Javari. Pré-candidato à Presidência da República e a vice-presidente na chapa da petista, respectivamente, os dois disseram que a notícia da morte causa "dor e indignação".

"O mundo sabe que este crime está diretamente relacionado ao desmonte das políticas públicas de proteção aos povos indígenas", escreveram Lula e Alckmin, em nota, em crítica ao governo do presidente da República, Jair Bolsonaro (PL).

A Polícia Federal afirmou na quarta-feira (15) que Dom Phillips e Bruno Pereira foram assassinados no Vale do Javari. A confirmação veio após Amarildo Oliveira, conhecido como "Pelado", preso por suspeita de participação no desaparecimento, confessar envolvimento no crime.

O superintendente regional da PF, Eduardo Alexandre Fontes, afirmou em coletiva de imprensa que os investigadores levaram Pelado e Oseney da Costa de Oliveira, também suspeito de envolvimento no crime, para a área de buscas no rio Itaquaí, onde foram encontrados partes de corpos, classificados pela investigação como "remanescentes humanos".

LEIA MAIS
Bolsonaro alega que Dom Phillips seria "mal visto" na região do Vale do Javari
Mortes por covid-19 aumentam no mundo, revertendo declínio de 5 semanas, diz OMS

BOLSONARO SE MANIFESTA


O presidente da República, Jair Bolsonaro, se manifestou nesta quinta-feira (16) no Twitter, pela primeira vez, sobre a confirmação dos assassinatos do jornalista inglês Dom Phillips e do indigenista Bruno Pereira na Amazônia. "Nossos sentimentos aos familiares e que Deus conforte o coração de todos!", escreveu o presidente.

A postagem, no entanto, foi feita em resposta à nota de pesar emitida pela Funai sobre as mortes - não se trata, portanto, de uma publicação à parte na rede social.

Mais cedo, já com o crime confirmado, Bolsonaro chegou a anunciar no Twitter redução de imposto de importação de vídeo game.

Na quarta-feira, antes de a Polícia Federal dizer que o até então principal suspeito pelos assassinatos confessou o ato, o presidente declarou em entrevista que, se os dois tivessem sido mortos, estariam embaixo da água.

"Peixe come. Não sei se tem piranha", afirmou Bolsonaro em entrevista a um canal no YouTube.

LEIA TAMBÉM
Câmara conclui mudança do ICMS e Estados temem ficar sem compensação


Publicidade