cotidiano

Prefeitura nega que houve aplicação de vacinas vencidas da AstraZeneca em Campinas

No Brasil, levantamento aponta para 26 mil doses fora da data de validade aplicadas; municípios negam

| ACidadeON Campinas -

Vacinação contra a covid-19 em Campinas (Foto: Denny Cesare/Código19) 

Um estudo divulgado nesta sexta-feira (2) apontou uma suposta aplicação de ao menos 86 vacinas vencidas contra a covid-19 da AstraZeneca em Campinas. O levantamento foi feito com dados oficiais do Ministério da Saúde e diz ainda que no Brasil foram cerca de 26 mil doses do imunizante com validade vencida aplicadas em 1.532 municípios.

A informação foi divulgada nesta sexta-feira (2) pelo jornal Folha de São Paulo. O levantamento foi feito por dois pesquisadores, Sabine Righetti, da Unicamp, de Campinas e Estêvão Gamba (Unifesp - Universidade Federal de São Paulo).

PREFEITURA NEGA

Em nota oficial, a Secretaria de Saúde disse que "em Campinas nenhuma pessoa recebeu dose de vacina fora do prazo de validade. Antes da aplicação de cada vacina, existem cinco checagens por diferentes profissionais das datas de validade das doses".

Além disso, a pasta informou que "o que aconteceu foi um erro no registro na tela do computador, em que o digitador clicou no lote errado e encaminhou ao sistema da Secretaria Estadual de Saúde (VaciVida). Os lotes são compostos por letras e números".

Ainda de acordo com a Administração, "este é um trabalho feito manualmente. De um total de 688.129 doses aplicadas em Campinas, houve erro de seleção em 97, o que representa 0,014%". Apesar disso, a Secretaria de Saúde disse já iniciou os contatos com cada uma das 97 pessoas para checagem e esclarecimentos de qualquer dúvida.

APLICAÇÃO

Até o dia 19 de junho, os supostos imunizantes com o prazo de validade expirado haviam sido utilizados em 1.532 municípios brasileiros, de acordo com o jornal.

Na RMC (Região Metropolitana de Campinas), outras 14 cidades também constam no registro do Ministério da Saúde de vacinas vencidas aplicadas (veja lista abaixo).

Na região os municípios de Vinhedo, Artur Nogueira e Hortolândia também divulgaram nota esclarecendo que não houve a aplicação de vacina vencida nessas cidades.

CONFIRA OS LOTES

Confira abaixo se você tomou alguma vacina do suposto lote vencido. No total, seriam oito lotes com o prazo de validade vencido e eles podem ser conferidos na carteira individual de vacinação.

Número do lote/Vencimento

4120Z001 - 29.mar

4120Z004 - 13.abr - A maioria (70%) das doses aplicadas depois da validade é desse lote

4120Z005 - 14.abr - A maioria (70%) das doses aplicadas depois da validade é desse lote

CTMAV501 - 30.abr

CTMAV505 - 31.mai

CTMAV506 - 31.mai

CTMAV520 - 31.mai

4120Z025 - 4.jun

LOCAIS DE SUPOSTA APLICAÇÃO EM CAMPINAS

- Distrito Sanitário Sudoeste: 48

- HC da Unicamp: 25

- Distrito Sanitário Norte: 5

- Vigilância em Saúde Leste: 4

- Centro de Saúde São Bernardo: 1

- Centro de Saúde Taquaral: 1

- Centro de Saúde Centro: 1

- Centro de Saúde Perdeu Leite de Barros: 1

O QUE FAZER

Caso você tenha recebido vacina da AstraZeneca de um dos oito lotes após a data de vencimento, procure um posto de saúde com sua carteira de vacinação para registro do erro vacinal e para receber orientações

Além disso, de acordo com o Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra covid-19, quem tomou imunizante vencido precisa se revacinar pelo menos 28 dias depois de ter recebido a dose administrada equivocadamente. Na prática, é como se a pessoa não tivesse se vacinado

CIDADES CONTESTAM

Após a repercussão do caso, a Prefeitura de Maringá (PR) negou que tenha aplicado as vacinas vencidas. Segundo a reportagem da Folha, ela teria sido a campeã no uso de vacinas vencidas. O local é reduto eleitoral de Ricardo Barros (PP), líder do governo Bolsonaro na Câmara dos Deputados. A cidade paranaense vacinou 3.536 pessoas com o produto da AstraZeneca fora da validade (primeira dose em todos os casos).

De acordo com a nota oficial de Maringá, "o lançamento no Sistema Conect SUS está diferente do dia da aplicação da dose. Isso porque, no começo da vacinação, a transferência de dados demorava a chegar no Ministério da Saúde, levando até dois meses. Portanto, os lotes elencados são do início da vacinação e foram aplicados antes da data do vencimento. Concluindo, não houve vacinação de doses vencidas em Maringá e sim erro no sistema do SUS."

A Prefeitura de Belo Horizonte também afirmou que o problema não ocorreu. "O que ocorreu foi o registro da data de aplicação de forma incorreta no sistema do PNI. A Secretaria Municipal de Saúde informa que já contatou as pessoas que foram vacinadas com os lotes em questão, verificou os cartões de vacina, e não há nenhuma inconformidade", informou em nota. Já a prefeitura de Juiz de Fora divulgou um post nas redes sociais também negando o erro.

NA REGIÃO

Confira quantas doses vencidas da AstraZeneca foram aplicadas na RMC:

- Americana: 17

- Artur Nogueira: 2

- Holambra: 3

- Hortolândia: 10

- Indaiatuba: 2

- Itatiba: 9

- Jaguariúna: 8

- Monte Mor: 1

- Nova Odessa: 2

- Paulínia: 2

- Pedreira: 5

- Santa Bárbara d'Oeste: 5

- Sumaré: 18

- Vinhedo: 1

MINISTÉRIO DA SAÚDE

Em nota oficial, o Ministério da Saúde informou que "nenhuma dose de vacina é entregue aos estados e Distrito Federal vencida".

A pasta disse também que "acompanha rigorosamente todos os prazos de validade das vacinas Covid-19 recebidas e distribuídas pela pasta. Conforme pactuado com Conass e Conasems, as doses entregues para as Centrais Estaduais devem ser imediatamente enviadas aos municípios pelas gestões estaduais".

"Cabe aos gestores locais do SUS o armazenamento correto, acompanhamento da validade dos frascos e aplicação das doses, seguindo à risca as orientações do Ministério", disse em nota.

O Ministério disse, por fim, que "segundo a orientação do Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19 (PNO), caso alguma vacina seja administrada após o vencimento, essa dose não deverá ser considerada válida, sendo recomendado um novo ciclo vacinal, respeitando um intervalo de 28 dias entre as doses. O vacinado deverá ser acompanhado pela Secretaria de Saúde local". 

(Com informações da Folha de São Paulo)

Mais notícias


Publicidade